O brasileiro e a cultura da vacina

Na foto acima, uma das pistolas usadas para vacinar a população na década de 1960 e 1070 no Brasil.

 

Desde o início da pandemia no Brasil, em março de 2020, quando se começou a discutir a necessidade da vacina para combater a Covid-19, disse que não iria comentar o assunto por achar um dos maiores absurdos de nosso tempo.

Questionar a eficácia de uma vacina pode ser até justo e, de certa maneira, nos cabe fazer. Mas, tomar a posição de não se vacinar e querer influenciar outras pessoas a não se vacinarem, é um absurdo, pois, desde o século 10 está comprovado que a vacina é o melhor instrumento de prevenção contra as doenças.

Negar isto, é negar a história, é negar a ciência e é levar a humanidade aos séculos passados quando se duvidava sobre a eficácia das vacinas e dos medicamentos.

Clique na imagem para assistir um vídeo sobre a revolta da vacina do Jornal Gazeta do Povo

Cada um é responsável por si e deve decidir em tomar ou não determinado medicamento, mesmo sabendo que, se não tomar, corre o risco de morrer.

Dizer que não toma a vacina porque tem a imunidade alta é um erro, pois ninguém toma vacina porque está doente, ou porque está com a imunidade baixa. Toma-se a vacina para ajudar o corpo a aumentar sua imunidade contra determinada doença e para que não seja um transmissor dos vírus.

Infelizmente a questão da vacina no Brasil, como disse no início, quando começou a discussão foi levada para o campo ideológico e partidário.

Em momento algum se discutiu a saúde pública.

Pois se a discussão tivesse sido realizada a partir do ponto de vista e da estratégia de saúde pública, o Brasil, mesmo com todas as dificuldades, as teria superado, pois tem o melhor e mais eficiente programa de imunização. Mas, como a discussão e ações de vacinação foram e partiram do campo político e ideológico, o sistema de imunização do país foi prejudicado e levamos muito tempo para colocá-lo em pleno funcionamento.

Os prefeitos que não optaram por não fazer política com o sistema de vacinação conseguiram, com todas as dificuldades apresentadas pelo Ministério da Saúde com a aquisição das vacinas contra a Covid-19, a desenvolver um programa que aos poucos foi atendendo a população.

Pela primeira vez, desde o início da pandemia, o Estado do Rio tem todos os municípios com baixo índice de risco da Covid-19

As medidas tomadas pelos governos municipais para vacinar a população conseguiram, a contragosto daqueles que pregam contra a vacina, o apoio da maioria dos brasileiros que foram aos postos em busca da vacina.

Por que a procura foi e está sendo grande?

Porque no Brasil, desde os tempos do Governo Militar, foi instituída a cultura da vacinação e por isso, a cada ano as campanhas sempre tiveram sucesso. É verdade que esta cultura foi implantada pelo sanitarista Oswaldo Cruz, que sofreu com a chamada “Revolta da Vacina”. Mas conseguiu fazer com que todos compreendessem a importância delas para prevenção e reduzir o número de mortes. Quem quiser saber mais, basta procurar no youtube vídeos sobre as campanhas de vacinação no Brasil é muito interessante e nos faz refletir sobre o momento que vivemos.

É importante lembrar que, as campanhas contra as vacinas ganharam seu auge com a Covid-19, mas já vinha sendo desenvolvida e divulgada pela internet em todo mundo. Por isso, nos últimos cinco anos, o percentual de crianças vacinadas sofreu uma grande redução.


No vídeo acima você conhece a história da vacina no Brasil.

Por que isso vinha acontecendo? Como não tenho dados científicos para provar, respondo a partir da minha observação.

A Campanha contra a vacina acontece, pois, como atuam na prevenção a doenças, houve uma grande redução de casos e com isso muitos deixaram de ganhar com medicamentos e internações.

Um dado interessante e que reflete a eficácia da vacinação, aliada a outras medidas sanitárias, é o número de crianças internadas. Por causa das medidas de prevenção, que passa pelo grande número de vacinas disponíveis para as crianças, estas não ficaram mais doentes como no passado e por isso, a maioria dos hospitais reduziram as enfermarias pediátricas e com isso, houve também uma redução no número de pessoas em busca da especialização em pediatria.

E agora, estamos vendo que muitos municípios, neste caso incluindo Petrópolis, estão registrando uma redução no número de pessoas internadas por Covid-19 e com toda certeza isto acontece devido a vacinação.

A população brasileira, como já disse, sabe que a vacina salva vidas. É preciso que os políticos deixem de lado a discussão política e ideológica e trabalhem para que o Brasil seja autossustentável na produção de vacinas. É fundamental que o Programa Nacional de Imunização seja respeitado e que, seja quem for, respeite aqueles que optam por não receber a vacina e aqueles que decidem se vacinar.


Propaganda de 1977 com o personagem Sigismundo sobre a importância da vacina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.